terça-feira, 29 de março de 2016

Dio - Killing The Dragon



Silence - we hunt for the queen
(Silêncio - nós caçamos para a rainha)
Sign of the cross
(Sinal da cruz)
And pray in-between
(E reza pela metade)

Look by the light of the day
(Procure pela luz do dia)
She's hiding till dark
(Ela se esconde até o anoitecer)
Waiting to play hey-hey
(Esperando para jogar hey-hey)

Something's taken a child
(Algo tomou uma criança)
And it all must end
(E isso tudo deve acabar)
Time to be killing the dragon again
(Tempo de matar o dragão novamente)

Silence - we'll hunt for the lord
(Silêncio - nós caçamos para o lorde)
He takes crimson and gold
(Ele leva carmesin e dourado)
Gave ice to the cold
(Deu gelo ao frio)

Oh to be never afraid
(Oh nunca tenha medo)
Of wolves at the door
(de lobos na porta)
Howling for more
(Uivando por mais)

More's been empty for years
(Mais tem sido vazio por anos)
And it all must end
(E isso tudo deve acabar)
Time to be killing the dragon again
(Tempo de matar o dragão novamente)

Kneel and behold your new king
(Ajoelhe-se e contemple seu novo rei)
Digital dreams
(Sonhos digitais)
And wonderful things to tease you
(E coisas maravilhosas para provocar você)

Small gods with electrical hearts
(Pequenos deuses com corações elétricos)
And it all will end
(E isso tudo irá acabar)
Time to be killing the dragon
(Tempo de matar o dragão)

segunda-feira, 28 de março de 2016

O Dragão de Beaucaire


Beaucaire é uma bonita aldeia da Provença, localizada na margem direita do Ródano, no departamento francês de Gard, na região de Languedoc-Rossilhão,. Este antigo povoado, fundado no século VI a.C., possui uma grande quantidade de lendas ancestrais, das quais a mais famosa é sem dúvida a do Drac (dragão em francês), um terrível dragão aquático que outrora vivia no Ródano. Escondido nas profundezas do rio, atraía as crianças, fazendo brilhar ouro e pedras preciosas debaixo d'água. O Drac também conseguia tornar-se invisível e assim percorria as ruas de Beaucaire para apanhar as presas à vontade. Pobre de quem caísse na armadilha! O Drac acabava impiedosamente com suas presas.

Uma das lendas mais famosas sobre o Dragão de Beaucaire conta que um dia, uma jovem lavadeira foi lavar a roupa nas margens do Ródano. Enquanto trabalhava, a jóvem ouviu uma voz suave que a convidava a se aproximar da água e, ao olhar, conseguiu ver o brilho de milhares de jóias no fundo... A jovem começou a ficar com sono, e sob hipnose, acabou entrando no rio. Então o dragão a pegou e e a levou para o fundo, até chegar no seu esconderijo. Uma vez em seu esconderijo, o dragão não matou a jovem. Ao invés disso, entregou-lhe seu filho, que tivera a pouco tempo com uma donzela, para que ela cuidasse dele.

Passaram-se assim sete anos, sem que ninguém em Beaucaire fizesse a minima ideia do paradeiro da lavadeira, até que um belo dia, ela reapareceu na cidade, Entre abraços e manifestações de alegria, a lavadeira retomou a sua vida. Mas depois de algum tempo, na praça do mercado, ela avistou o dragão e foi cumprimentá-lo. O dragão, percebendo que a lavadeira havia adquirido o poder de vê-lo, a cegou instantaneamente. Assim, ele pode continuar sua rotina de caça sem ser notado por ninguém.


Estátua do Drac de Beaucaire, localizada na Place de la République, Paris


fonte:

segunda-feira, 21 de março de 2016

Dragões do Zodíaco - 2015

 Áries

Touro

Gêmeos

Câncer

Leão

Virgem

Libra

Escorpião

Sagitário

Capricórnio

Aquário

Peixes

Serpentário


Fin Fang Foom


Fin Fang Foom é um personagem fictício e um dragão alienígena que aparece no universo Marvel. Fin Fang Foom apareceu pela primeira vez em Strange Tales vol. 1, nº 89 (Outubro de 1961).

Biografia 

Embora outrora acreditava-se que ele fosse um nativo do vale do dragão adormecido na China, Fin Fang Foom é um alienígena tendo vindo do planeta Kakaranathara (também conhecido como Maklu IV) no sistema Maklu da grande Nuvem Magelânica. Foom e vários outros membros de sua raça originalmente abandonaram seu pacífico planeta no intuito de conquistar outros planetas.Os dragões alienígenas pousaram em terra na antiga China, e usaram sua transmutação de forma natural para imitar a forma humana, na intenção de se inserir e estudar a espécie humana antes de iniciar sua conquista. Foom entretanto estava preso em um túmulo, e adormecido graças a uma erva que lhe colocava em estado catatônico.


Fin Fang Foom é brevemente despertado no 8º século, e volta a dormir com uma segunda aplicação da erva. Foom dorme então até a era moderna, quando é deliberadamente despertado pelo adolescente Chan Liuchow, cuja terra natal está sob ameaça do Partido Comunista da China. Liuchow convence Foom com a ameaça da erva, e conduz o dragão diretamente para o acampamento comunista, que é dizimado por Foom. Após isso, Liuchow leva-o de volta para sua tumba, onde a erva o faz retornar aso seu sono.Em algum ponto, o adormecido Fin Fang Foom é capturado pelo ancião do Universo conhecido como Colecionador, e aprisionado em sua coleção subterrânea de monstros. Quando o vilão conhecido como Toupeira ataca o local, Foom e os outros monstros escapam e são mais tarde capturados pelo recém formada Quarteto Fantástico e depositados na ilha monstro. Foom, entretanto, não tem desejo algum em servir ao Toupeira (que usa a ilha como base) e vai embora, retornando à China e à hibernação.

Algum tempo depois um cientista chamado Doctor Vault consegue controlar mentalmente o dragão e faz com que ele ataque seu inimigo. Resistindo ao controle, Foom ao invés disso ajuda Colossus contra ainvasão alienígena - com a intenção de preservar o planeta para que a espécie dos dragões pudesse conquistá-lo posteriormente. O controle mental de Vault brevemente força Foom a lutar contra Colossus, Foom então se sobrepões ao seu oponente com artes marciais antes de libertar sua mente e retornar a hibernação. Anos mais tarde, Fin Fang Foom é mais uma vez despertado de seu descanso quando seu corpo é possuído pelo demônio Aan Taanu. Combatendo um grupo de aventureiros ocultos (incluindo o agora mais velho Chan Liuchow, já um Professor) conhecidos como a Legião da Noite em Nova York, Taanu é exorcisado do corpo de Foom, e o confuso dragão mais uma vez retorna à hibernação.


Tempos Modernos

Em algum ponto da era moderna, a embarcação do povo Makluan é encontrada por um homem que rouba 10 anéis sofisticados dele, e em consequência se torna o supervilão Mandarin. Anos mais tarde o Mandarin é levado ao Vale do Dragão Adormecido pelo capitão da embarcação, e encontra (e acorda) Fin Fang Foom, usando o dragão para ameaçar o governo chinês. Quando os outros Makluans tomam a forma humana para iniciar sua conquista, o Mandarim percebe que está sendo usado e junta suas forças com o Homem de Ferro para combater os dragões, terminando a batalha aparentemente com a completa aniquilação deles.

Poderes e habilidades

Fin Fang Foom possui grande força super-humana; o limite do que ele consegue levantar excede as 1000 toneladas. Tem a capacidade de voar com suas asas a velocidades supersônicas, e é capaz de expelir chamas pela boca a grandes distâncias. Tem também grande resistência a ferimentos e não pode ser ferido por armas convencionais. É capaz de regenerar-se de feridas extremamente severas. Têm o tempo de vida muito amplo, tendo sobrevivido a vários séculos. Certa vez mostrou a habilidade de se transformar num grande número de lagartos. É também altamente inteligente, apesar de sua forma bestial. Foom já mostrou a capacidade de se comunicar telepaticamente. É também um mestre num estilo de luta que inspirou as artes marciais da terra. Após várias mortes, ele se tornou capaz de apropriar-se de vários objetos e pessoas e encontrar maneiras de criar um novo corpo exatamente igual ao primeiro. Ele também pode torcer e retorcer o seu corpo.


domingo, 20 de março de 2016

Akheku


Akhekhu (ou Akhekh) era uma criatura sobrenatural ou fantástica gravada originalmente no antigo Egito como um aspecto do deus Seth. Seu habitat era as terras desérticas egípcias em torno do rio Nilo. Viajantes que ouviram histórias sobre o Akhekhu trouxeram estas consigo para a Europa, onde ela ganhou um novo status lendário semelhante ao do grifo europeu. 

Akhekhu era descrito com um corpo serpentino, porém possuindo quatro pernas. Em relatos posteriores feitos na Europa, Akhekhu tinha o corpo de um antílope com a cabeça de um pássaro e características dracônicas. Muitas vezes, ele é retratado com três uraeus em torno de sua cabeça. 


sábado, 19 de março de 2016

Dez incríveis dragões de verdade


O planeta Terra pode não ter um lagarto gigante de chifres, cauda pontuda e que solta fogo pela boca. Mas alguns dragões existem, sim. E alguns deles podem até voar! Conheça agora dez deles.

Dragão de Komodo


Se para você, dragões são répteis gigantes com uma mordida fatal, o dragão de Komodo (Varanus komodensis) é o ser vivo que mais chega perto dessa descrição.

Com até 3 metros de comprimento e pesando até 70 quilos, trata-se do maior lagarto do mundo.

Ele não solta fogo, mas pode matar porcos, veados e até búfalos com o que sai de sua boca. Em 2009, cientistas descobriram que o animal tem uma saliva altamente venenosa que encharca as feridas que ele inflige com seus dentes afiados.

O réptil foi batizado de dragão pelo aventureiro americano W. Douglas Burden, que partiu para as Pequenas Ilhas da Sonda, na Indonésia, em busca de lagartos gigantes e se deparou com esta temível criatura.

'Cobra-dragão'


Nativa da Indonésia e da Malásia, mas também avistada na Tailândia e em Mianmar, esta misteriosa espécie (Xenodermus javanicus) foi assim chamada por causa de suas escamas.

Xenodermus significa "pele estranha" e se refere às fileiras de escamas rugosas e negras que correm como cordilheiras pelo corpo da serpente.

Uma cobra como esta chega a medir 60 centímetros, e as fêmeas são ligeiramente maiores que os machos. Ela tem hábitos noturnos e se alimenta essencialmente de sapos.

Dragão-barbudo


O dragão-barbudo (do gênero Pogona) é um dos animais de estimação mais populares em todo o mundo. As oito espécies do gênero vêm todas da Austrália Central.

Esses lagartos estufam suas gargantas para criar um imponente semi-círculo cheio de escamas pontiagudas. Essa "barba" se torna negra durante o acasalamento e em momentos de estresse.

Em 2014, cientistas descobriram que o dragão-barbudo também muda de tonalidade de acordo com seu ritmo circadiano: ele começa o dia mais escuro e vai ficando mais claro progressivamente, adotando uma cor creme à noite.

Essas mudanças o ajudam a absorver calor durante o dia e a se manter aquecido à noite.

Lacraia-dragão rosa-choque


As lacraias ficam no espectro de menor porte da escala de dragões da vida real.

Podem ser encontradas em todo o Sudeste Asiático, e foram batizadas como dragões por causa de suas elaboradas protusões pontudas que servem para proteger suas inúmeras patas.

Uma das espécies mais surpreendentes foi a lacraia-dragão rosa-choque (Desmoxytes purpurosea), descoberta em 2007 vivendo em uma caverna de calcário, entre serrapilheiras, na Tailândia.

Com 3 centímetros de comprimento, é uma das maiores lacraias-dragão do mundo. Além da cor berrante, sua principal característica é exalar um cheiro de amêndoas – o que significa que elas produzem o altamente tóxico cianureto de hidrogênio em suas glândulas.

Outras espécies de lacraias-dragão também foram encontradas recentemente no Laos, nas Filipinas e no sul da China.

Dragão-voador


Aqueles que acreditam que dragões deveriam voar vão ficar contentes em saber da existência do gênero Draco. Trata-se de um grupo de répteis que pode genuinamente planar no ar, uma adaptação que os ajudou a sobreviver nas florestas tropicais do Sudeste Asiático.

Assim como muitas asas de avião são construídas com suportes e uma membrana estendida entre eles, o dragão-voador tem algumas costelas alongadas que apoiam uma aba de pele, chamada patágio.

A estrutura os permite planar por cerca de 8 metros entre uma árvore e outra. A cauda fina e esguia do animal atua como leme.

Graças a músculos especializados, os dragões podem armar as asas ou encolhê-las ao longo do corpo.

Libélula gigante


Chamadas de dragonfly ("mosca-dragão") em inglês, as libélulas são encontradas em todos os continentes, exceto na Antártida, e são representadas por cerca de 5 mil espécies.

O maior desse grupo de insetos é a Petalura ingentissima, encontrada em Queensland, na Austrália.

Essas libélulas de listras pretas e amarelas vivem perto de riachos da floresta tropical. Medem 12 centímetros de comprimento, e suas asas têm 16 centímetros de envergadura.

Acredita-se que seja a mais antiga libélula do mundo, com fósseis datados no período jurássico.

Especialistas no folclore ocidental acreditam que o inseto foi batizado como "dragão" por causa de suas manobras acrobáticas aéreas, que os europeus da Idade Média pensavam ser obra do Diabo.

Peixe-mandarim


Histórias de dragões não se restringem à terra e aos céus. Na mitologia asiática, os dragões são frequentemente associados com a água, e há muitas criaturas marinhas batizadas em homenagem a eles.

Uma das espécies mais atraentes é o peixe-mandarim, animal tropical encontrado na intersecção dos Oceanos Índico e Pacífico.

Estes "pequenos dragões", da família Callionymidae, são assim chamados por causa de sua grande barbatana dorsal, que lembram asas articuladas.

O peixe-mandarim exibe uma mistura psicodélica de um azul eletrizante com um laranja vibrante para se disfarçar bem em seu habitat, os corais do Pacífico.

Em 2013, cientistas descobriram que este animal tem células pigmentosas que podem brilhar em azul ou em vermelho.

Para se proteger dos predadores, o peixe-mandarin secreta uma toxina no denso muco que cobre seu corpo, algo típico de outras espécies da família.

Peixe-dragão negro


O peixe-dragão negro (Idiacanthus atlanticus) se parece com os vilões mais assustadores dos contos de fadas, com seu corpo preto e esguio e seus terríveis dentes pontiagudos.

É uma espécie de águas profundas e pode ser encontrado até 2 mil metros abaixo da superfície do Oceano Atlântico. Está incrivelmente adaptado ao escuro, ao frio e à alta pressão encontrados nessa profundidade.

O animal se alimenta de invertebrados marinhos e de outros peixes. Para atrair as presas, a fêmea tem um barbo – um órgão que se parece com um fio preso em seu queixo, com uma ponta azul luminescente.

A fêmea também possui órgãos chamados fotóforos, que emitem luz, espalhados pelo corpo e cabeça. Eles ajudam o animal a encontrar presas, se comunicar e se esconder de grandes predadores.

Enquanto uma fêmea adulta pode chegar a medir 48 centímetros, os machos têm apenas 5 centímetros e não possuem dentes. São as fêmeas que caçam à noite, enquanto os machos permanecem no fundo do mar.

Lesma-do-mar


Conhecida em inglês como blue dragon nudibranch ("nudibrânquio-dragão azul"), esta espécie de lesma-do-mar (Glaucus atlanticus)já foi avistada em praias da Austrália, da África e do sudeste dos Estados Unidos, e recentemente foram encontradas na costa leste da Índia.

Em vez de voar ou planar, este dragão marinho flutua de barriga para cima para onde quer que o vento o leve. Ela viaja na tensão superficial da água, usando uma bolha de ar na barriga para flutuar.

Ao parecer prateada para os peixes abaixo dela e azul para os pássaros acima, a lesma evita os predadores.

Mas não se deixe enganar pela aparência angelical: esta criatura se alimenta dos tentáculos tóxicos da temida caravela e transfere as células pungentes daquele animal para dezenas de pequenas bolsas, afim de usá-las em sua própria defesa.

Dragão-marinho


Não se engane: os dragões-marinhos (da família Syngnathidae) são peixes. Fazem parte da família dos cavalos-marinhos mas são muito mais excêntricos.

A mais nova espécie foi descoberta no início deste ano e tem uma coloração vermelha.

A principal característica do dragão-marinho são seus apêndices carnudos que imitam algas marinhas, permitindo que o animal possa se camuflar e evitar predadores.

São encontrados apenas na costa sul da Austrália.


Texto extraído do site http://www.bbc.com/
Créditos: Ella Davies, Repórter da BBC Nature

Making Of da criação dos Dragões de Game of Thrones


No ano passado, a série da HBO Game of Thrones foi a grande vencedora da 67ª edição do Emmy, vencendo o principal prêmio (Melhor Série Dramática), além de mais 11 prêmios, consagrando a série como a maior vencedora de premiações numa mesma edição.

Na ocasião, a Pixomondo (empresa responsável pelos efeitos digitais da série) divulgou um vídeo onde mostra a criação dos dragões da 4ª temporada da série, em comemoração pelo feito e como um presente para os fãs. Abaixo o vídeo:




Créditos a Pixomondo!